Empreendedorismo em ação: como testar seu produto no mundo dos negócios.

Empreendedorismo em ação: como testar seu produto no mundo dos negócios

 

Maio/2021 – Por Vinícius Souza

 

Muitos empreendedores têm dúvidas diversas dúvidas relacionadas ao momento de lançar um produto/serviço, ou ainda, abrir o negócio, principalmente em momentos turbulentos, como o que vivemos atualmente, por exemplo. Sem dúvidas, a crise que se instalou no mundo em decorrência do COVID-19 assolou muitos negócios e frustrou planos de diversos empreendedores, que sonhando com a transformação de suas vidas, tinham apostas no desenvolvimento de um novo negócio.

 

Devemos, no entanto, entender que muitos negócios de sucesso, foram criados justamente em um momento de incerteza, de dúvidas e até de crises. Não são as crises que geram oportunidades, mas as crises amplificam os problemas e dores das pessoas, que aí sim geram oportunidades de resolução. O empreendedor, inclusive, deve procurar, prioritariamente, problemas para resolver e não oportunidades. Somente dessa forma, a oportunidade se torna legítima, embasada e sustentável. Porém, infelizmente, isso não é uma tarefa fácil. Nem sempre as dores estão escancaradas no cliente, como uma manifestação de dor física, por exemplo. As dores a serem resolvidas, muitas vezes são psicológicas, ou ainda, são a partir do adiamento de dores futuras.

 

Em virtude dessas e tantas outras dificuldades, o momento requer ainda mais planejamento para concepção de novos negócios. A grande dica para quem está na trajetória de um negócio, é antes de mais nada, refletir sobre sua ideia em alguns níveis:

 

  1. Qual ou quais as dores que seu cliente possui? Ele tem consciência sobre ela? Todo cliente, passa por um processo até comprar seu produto/serviços. O primeiro deles é a consciência. Seu cliente possui a consciência de que precisa do seu produto/serviço? Se sim, ficará mais fácil realizar a divulgação do mesmo. Se não, você deve desdobrar seu processo de comunicação para que ele entenda que seu produto é para ele!
  2. Desenvolva sua ideia/produto/serviço em pequena escala. Nada de já sair abrindo CNPJ. É isso mesmo, dentro das prioridades, o empreendedor deve buscar validar seu produto. Validar seu produto, é entender o que dá certo e o que não dá em relação à apresentação, consumo, satisfação, divulgação, porém, em uma escala mínima possível. É muito mais barato e efetivo “errar” em pequena escala do que em grande!
  3. Outro ponto importante, é que com a consciência trabalhada, sobretudo por processos de comunicação (marketing), o cliente adquire a consideração. Ou seja, ele considera comprar seu produto/serviço, a partir da atenção ou expectativa aguçada. Perceba, ainda estamos considerando a importância do processo de comunicação / marketing, mas, nesse momento, o cliente já está no que chamamos de funil de venda, ou seja, você já sabe quem ele é, ele já se interessou pelo seu produto, mas está em uma zona fria ainda para que efetivamente compre o seu produto/serviço. O poder de argumentação sobre o produto entra em ação nesse momento.
  4. Por fim, entra o processo de conversão / compra, e a grande dica nesse momento é aferir a completa satisfação do cliente diante de sua experiência. Como foi a experiência em relação ao consumo e valor pago? O cliente visualiza uma relação de custo x benefício interessante? A quantidade foi boa? A entrega do produto/serviço foi adequada? O que poderia melhorar? Quais atributos têm potencial de melhorar a experiência? O cliente indicaria esse produto / serviço para alguém? Essas são algumas perguntas que podem constar em uma pesquisa de satisfação, para que o empreendedor tome decisões de melhoria de seu produto. E atenção, quando houver um feedback negativo, agradeça seu cliente a oportunidade de deixar você ciente sobre isso, pois o cliente insatisfeito que não lhe oportuniza melhorar, provavelmente dará esse feedback a outros potenciais clientes, o que diminuirá a credibilidade de seu negócio.

 

Empreender não é uma tarefa fácil. o que é fácil na vida? Quais conquistas de sua vida foram fáceis? A ótica do lançamento de novos produtos e/ou serviços, é apenas o começo da jornada. Nós, brasileiros, no entanto, somos, cultural e historicamente, conhecidos por nossa garra, pela perseverança, e isso deve fazer parte de sua trajetória empreendedora, para que antes de mais nada, você tenha condições de reavaliar sempre sua estratégia em prol da melhoria. E lembre-se, o primeiro passo para o sucesso é só um: a ação! 

 

 

Temos por finalidade, apoiar e desenvolver, a Educação Empreendedora sem nenhuma conotação político-partidária.

 

Empreendedorismo IPPE

Instituto IPPE

Contato

Links

© 2020, Instituto de Pesquisa e Projetos Empreendedores | Direitos Reservados | InFOCO Produções

Empreendedorismo em ação: como testar seu produto no mundo dos negócios

Maio/2021 – Por Vinícius Souza

 

Muitos empreendedores têm dúvidas diversas dúvidas relacionadas ao momento de lançar um produto/serviço, ou ainda, abrir o negócio, principalmente em momentos turbulentos, como o que vivemos atualmente, por exemplo. Sem dúvidas, a crise que se instalou no mundo em decorrência do COVID-19 assolou muitos negócios e frustrou planos de diversos empreendedores, que sonhando com a transformação de suas vidas, tinham apostas no desenvolvimento de um novo negócio.

 

Devemos, no entanto, entender que muitos negócios de sucesso, foram criados justamente em um momento de incerteza, de dúvidas e até de crises. Não são as crises que geram oportunidades, mas as crises amplificam os problemas e dores das pessoas, que aí sim geram oportunidades de resolução. O empreendedor, inclusive, deve procurar, prioritariamente, problemas para resolver e não oportunidades. Somente dessa forma, a oportunidade se torna legítima, embasada e sustentável. Porém, infelizmente, isso não é uma tarefa fácil. Nem sempre as dores estão escancaradas no cliente, como uma manifestação de dor física, por exemplo. As dores a serem resolvidas, muitas vezes são psicológicas, ou ainda, são a partir do adiamento de dores futuras.

 

Em virtude dessas e tantas outras dificuldades, o momento requer ainda mais planejamento para concepção de novos negócios. A grande dica para quem está na trajetória de um negócio, é antes de mais nada, refletir sobre sua ideia em alguns níveis:

 

  1. Qual ou quais as dores que seu cliente possui? Ele tem consciência sobre ela? Todo cliente, passa por um processo até comprar seu produto/serviços. O primeiro deles é a consciência. Seu cliente possui a consciência de que precisa do seu produto/serviço? Se sim, ficará mais fácil realizar a divulgação do mesmo. Se não, você deve desdobrar seu processo de comunicação para que ele entenda que seu produto é para ele!
  2. Desenvolva sua ideia/produto/serviço em pequena escala. Nada de já sair abrindo CNPJ. É isso mesmo, dentro das prioridades, o empreendedor deve buscar validar seu produto. Validar seu produto, é entender o que dá certo e o que não dá em relação à apresentação, consumo, satisfação, divulgação, porém, em uma escala mínima possível. É muito mais barato e efetivo “errar” em pequena escala do que em grande!
  3. Outro ponto importante, é que com a consciência trabalhada, sobretudo por processos de comunicação (marketing), o cliente adquire a consideração. Ou seja, ele considera comprar seu produto/serviço, a partir da atenção ou expectativa aguçada. Perceba, ainda estamos considerando a importância do processo de comunicação / marketing, mas, nesse momento, o cliente já está no que chamamos de funil de venda, ou seja, você já sabe quem ele é, ele já se interessou pelo seu produto, mas está em uma zona fria ainda para que efetivamente compre o seu produto/serviço. O poder de argumentação sobre o produto entra em ação nesse momento.
  4. Por fim, entra o processo de conversão / compra, e a grande dica nesse momento é aferir a completa satisfação do cliente diante de sua experiência. Como foi a experiência em relação ao consumo e valor pago? O cliente visualiza uma relação de custo x benefício interessante? A quantidade foi boa? A entrega do produto/serviço foi adequada? O que poderia melhorar? Quais atributos têm potencial de melhorar a experiência? O cliente indicaria esse produto / serviço para alguém? Essas são algumas perguntas que podem constar em uma pesquisa de satisfação, para que o empreendedor tome decisões de melhoria de seu produto. E atenção, quando houver um feedback negativo, agradeça seu cliente a oportunidade de deixar você ciente sobre isso, pois o cliente insatisfeito que não lhe oportuniza melhorar, provavelmente dará esse feedback a outros potenciais clientes, o que diminuirá a credibilidade de seu negócio.

 

Empreender não é uma tarefa fácil. o que é fácil na vida? Quais conquistas de sua vida foram fáceis? A ótica do lançamento de novos produtos e/ou serviços, é apenas o começo da jornada. Nós, brasileiros, no entanto, somos, cultural e historicamente, conhecidos por nossa garra, pela perseverança, e isso deve fazer parte de sua trajetória empreendedora, para que antes de mais nada, você tenha condições de reavaliar sempre sua estratégia em prol da melhoria. E lembre-se, o primeiro passo para o sucesso é só um: a ação! 

 

 

Deixe uma resposta